Saldos

Gosto desta campanha! Quer pelo aspecto visual da mesma, quer pelo bom humor!

saldos1

saldos2

saldos3

Copy: Planet Girls Sales. Defend What Is Yours.

Agência: Bárbara Comunicação, Brasil

Via: Twenty Four

Anúncios

Faço nova incursão na área política apenas para realçar que Sócrates, apesar dos abalos do caso da sua Licenciatura e os erros da Ota, continua a saber mover-se nos media bem melhor que os seus opositores. Isto a propósito da futura presidência europeia de Portugal que terá como principal tema o “tratado simplificado”.

Sócrates foi rápido em afirmar que o “mandato preciso” que foi entregue a Portugal significa uma grande responsabilidade e uma oportunidade para nos afirmarmos a nível internacional. Mais comedido, Cavaco Silva não deixou de sublinhar a importância do tratado vir a ter o nome de Tratado de Lisboa. É por isso tempo de união entre as forças políticas.

A conversa dos grande desígnios nacionais não é nova e continua a revelar-se a melhor forma de formar consenso neste país sempre nostálgico de uma grandeza que se foi e disposto a mostrar ser mais do que aquilo que todos os outros acham que é. Pessoalmente, penso que qualquer aspirante a uma carreira política em Portugal devia estudo com cuidado “A Mensagem” de Fernando Pessoa, que é uma obra que retrata com exactidão o povo português.

Afirmar a importância desta presidência portuguesa – algo que é verdade – Sócrates coloca já travões a possíveis investidas da oposição que não poderá “ir contra” os desígnios nacionais sob o risco de hipotecar os seus resultados eleitorais em 2009. Em termos práticos, significa abdicar do referendo prometido que poderia servir para fragilizar Sócrates.

O rumo está traçado por Sócrates e, a menos que haja uma resposta rápida por parte da oposição, o Governo de maioria PS terá 6 meses de pausa que poderá utilizar para recuperar crédito e garantir a reeleição. Pode parecer o contrário, mas Sócrates – e quem o aconselha – sabe muito de política.

Lá que as semelhanças existem não dá para duvidar!

nike_t90

sin_city

Ao ver algumas campanhas publicitárias que por aí vão surgindo tenho a sensação que muitos profissionais vivem num mundo fechado não se dando conta da realidade que se vai vivendo cá fora. Uma ideia pode ser excelente quando avaliada de um ponto de vista neutro, mas para se tornar num anúncio há que avaliá-la na perspectiva da sociedade. As normas sociais regem o comportamento dos seres humanos e atacá-las nem sempre é uma boa opção por parte de uma marca.

Não quero com isto dizer que toda a publicidade deva ser socialmente correcta. Normalmente a melhor é aquela que desafia os convencionalismos. Mas esse tipo de publicidade resulta em marcas e produtos cuja identidade seja a de ir contra o status quo e não para quem se move num mercado que não provoca divisões sociais.

Vem isto a propósito da campanha para linha de iogurtes Fit Light, onde se aconselha as mulheres de que os gostos dos homens não mudam e que portanto têm que emagrecer. Lançar este tipo de publicidade numa altura em que se vai gerando um movimento anti-estereótipo de beleza feminina centrada no ideal de top model, vindo de um país onde recentemente se registaram mortes mediáticas devido à anorexia foi tudo menos prudente tendo em conta a reputação da marca. O buzz em torno da campanha tem sido muito, infelizmente não do tipo que qualquer director de marketing gosta de ouvir. Para a próxima convém avaliar se vale a pena assumir uma postura agressiva sobre um tema que tem gerado controvérsia e cujas simpatias sociais se encontram no oposto das que pretendemos defender.

Ficam abaixo os anúncios:

fit1

fit2

fit3

Copy: Esqueça. O gosto dos homens nunca vai mudar.

Agência: Salle Chemistry, Brasil

Via: Twenty Four

Existe melhor forma de chamar atenção para os problemas do ambiente do que fazê-lo ao natural? A PETA e a Playboy acham que não e continuam a chamar a atenção para os mesmos através da sexualidade. Em termos de propagação da mensagem e de chamada de atenção são campanhas que geram buzz, corre-se é o risco de se confundir a mensagem com a forma e das atenções se centrarem mais nas modelos do que nos alertas.

playboy1

playboy2

playboy3

playboy4

Agência: Neogama BBh, Brasil

Via: Twenty Four

Evolução

Mais uma campanha da World Wildlife Fund (WWF) a chamar a atenção para o tratamento dado a várias espécies de animais que “evoluem” para se tornarem acessórios de moda para humanos!

evolution1

evolution2

evolution3

Agência: Ogilvy & Mather, China

Via: Twenty Four

Esta chamada de atenção para a responsabilidade social dos publicitários é uma das campanhas mais interessantes que vi ultimamente. Por vezes as condições humanitárias de outros são usadas para chamar provocar awareness para uma campanha ou produto, que até podem ter um fim humanitário e louvável, mas nem sempre os fins justificam os meios ou o aproveitamento dos outros.

responsads1

responsads2

responsads3

Agência: Giovanni + DraftFCB, Brasil

Via: Twenty Four

« Página anteriorPágina seguinte »