Arquivo de Julho, 2006

Tenho andado ‘entretido’ em torno de formas de representacão gráfica da blogosfera portuguesa. Esta primeira experiência centrou-se em torno de 4 blogs políticos: Abrupto; Blasfémias; Causa Nossa; e O Insurgente. Baseei-me em dados recolhidos a partir do Blogómetro; Technorati; Alexa; Blogsearch; e IceRocket para criar o seguinte radar pentagonal – de referir que os valores apresentados para as linhas de valores representam percentagens. (clicar na imagem para aumentar)

analise1

No vértice superior encontramos os valores respeitantes à média de visita de cada um dos blogs, de acordo com os dados apresentadaos no Blogómetro. Em cada um dos 4 vértices restantes encontramos dados para o que pode ser designado de “validade social” para cada blog, representando valores referentes ao número de links, número de blogs que linkam para o seu endereço, e número de citações de cada blog (voltarei a este conceito de validade social num post futuro).

Do gráfico podemos inferir que o Abrupto apresenta uma esfera de influência bastante superior relativamente aos restantes, com o Blasfémias a surgir no segundo posto em quase todas as variáveis com a notável excepção para os dados Technorati nos quais é ultrapassado pelo Causa Nossa. De notar a similaridade entre os gráficos do Blasfémios e d’ O Insurgente.

No futuro procurarei afinar esta metodologia assim como ‘procurar’ outras que permitam analisar os blogs portugueses.

Tags: Web Analytics technorati_logo sapotags_logo marcantes_logo destakes_logo favoritos_logo delicious_logo wordpress_logo

Anúncios

Negociações

Muito se apela ao retorno das negociações entre Israel e os seus vizinhos muçulmanos; sim, porque por muitas voltas que certa facção da sociedade queira dar esta é uma questão que tem o seu centro em disputas religiosas que depois extravasam para outros sectores da vida societal. Ora, uma negociação é um processo voluntário que coloca duas partes em disputa à procura de uma solução win-win; ou seja, uma solução que seja satisfatória para ambos os lados, mesmo que não seja a solução mais desejável para qualquer dos lados. Por outro lado, a premissa para a existência da possibilidade da obtenção de um acordo win-win é que as expectativas em relação aos resultados sejam realistas dos dois lados em disputa.

Analisando o processo dificilmente se encontra de uma das partes a disponibilidade para se sentar numa ronda negocial. Quanto às expectativas, resta recordar que para o Hezbollah o único acordo satisfatório seria o desaparecimento de Israel, algo que a nível negocial apenas será possível com a anuência dos israelitas em retirarem-se do Médio Oriente; estamos portanto perante uma situação clara de expectativas irrealistas de um dos lados! Poder-se-á argumentar que ao Hezbollah interessa a libertação de prisioneiros que Israel mantém cativos; uma verdade que apenas o é em termos presentes, daqui a um mês será outro o motivo por detrás da ofensiva.

Há ainda a solução de um intervenção de uma terceira parte através de um processo de mediação do conflito. Acontece que para tal resultar é necessário que o conflito entre as duas partes não seja demasiado intenso, o que não é manifestamente o caso. Resta apenas a possibilidade de uma acção unilateral das partes. Israel iniciou, ainda sob a égide de Sharon, um processo de Retirada fazendo uma concessão unilateral à outra parte; o Hezbollah por seu lado, optou claramente por uma estratégia de Confronto que resultou na situação bélica com que hoje nos deparamos.

Por mais “pedidos” que se faça para que as partes negoceiam, a verdade é que para haver um clima minimamente “aceitável” para tal ocorrer será necessário que uma das partes ganhe vantagem sobre a outra obrigando esta a procurar uma outra via de acção; ou que se verifique uma situação clara de um “beco sem saída” que force as partes a procurar a intervenção de outra.

Tags: Psicologia Social technorati_logo delicious_logo wordpress_logo

Techorati Facelift

technoratiO Technorati resolveu fazer um facelift e parece-me bem mais agradável do ponto de vista estético; a predominância do branco dá-lhe um ar mais clean e leve. Por outro lado, parece-me bem mais intuitivo, mas isso é um aspecto que carece de exploração. Mas também tenho de concordar que é um bocado ‘amaricado’!

Tags: Web 2.0 technorati_logo sapotags_logo marcantes_logo destakes_logo favoritos_logo delicious_logo wordpress_logo

trends_destakes

O Destakes passou a contar com um serviço de Trends dedicado aos media nacionais. É uma solução interessante que oferece uma alternativa mais específica do que aquela fornecida pelo Google Trends e pelo Blogpulse. Acho que as cores, sobretudo para o 2º e 3º termo a pesquisar, não são as melhores já que causa alguma dificuldade à leitura; o ideal seria ter a possibilidade de atribuir uma cor para cada termo, mas não se pode ter tudo.

Parabéns e agradecimentos ao Karlus, cujo blog pessoal já há muito deveria ter ido para à coluna da direita.

Tags: Market Research technorati_logo sapotags_logo marcantes_logo destakes_logo favoritos_logo delicious_logo wordpress_logo

Este período de latência que se tem mantido nos últimos dias deve-se ao finalizar da minha licenciatura em Psicologia, com pré-especialização na área de Psicologia Social da Política e da Economia. Em breve voltarei a postar com mais regularidade, esperando-se mudanças já para o fim-de-semana que se avizinha. Para já fico-me pelo refresh do design do blog.

No início deste mês falei aqui sobre a possibilidade das cadeias televisivas recorreram à web como um local de ‘testagem’ de produtos, aproveitando o fluxo de espectadores e o volume de comentários para avaliar um determinado programa antes de este ser emitido. Na altura escrevi que a melhor forma de realizar tal desiderato, por oposição a recorrer a plataformas como o Youtube, seria:

a criação por parte das próprias cadeias televisivas de uma comunidade crítica online. Basicamente seria o disponibilizar de segmentos de episódios piloto como é o caso, numa plataforma online criada para o propósito, onde os consumidores-críticos poderiam avaliar o interessa recorrendo ao feedback via comentários, como até acrescentando índices de análise quantitativos.

No dia 14 deste mês, o SciFi Channel nos Estados concretizou esta ideia (obviamente que não existe relação entre os dois casos) colocando online o episódio piloto de ‘The Amazing Screw-On Head’, um programa de animação que apenas será emitido no canal no dia 22. Para além de lançar o episódio online, é pedido a cada espectador que no final do mesmo preencha uma pequeno questionário acerca deste, cobrindo aspectos como a história e as personagens.

A opção pela solução online, ao invés dos tradicionais focus groups, pautou-se pelo menor custo desta solução mas sobretudo porque permite recolher possivelmente milhares de opiniões quando comparado com as soluções normais que para se atingir números na ordem das centenas exigem demasiado tempo e recursos. De acordo com Craig Engler, vice-presidente do SciFi Channel, a opção deveu-se também ao facto de a empresa não ter a certeza do potencial do programa, pelo que necessitou de o submeter a escrutínio público. Relativamente ao futuro deste tipo de abordagem Engler acrescentou que:

A lot of traditional piloting will continue because of economic reasons, but this gives an opportunity for shows that we might not normally even make a pilot out of. We can test it online, and maybe go a more inexpensive route when developing it. Maybe we make a six-minute pilot instead of 22-minute one.

A mim parece-me ser este o caminho a trilhar nos próximos anos, tanto devido às potencialidades oferecidas como pela evolução apresentada em termos do acto de visualizar recursos multimédia online – de referir que no Domingo o site Youtube atingiu a marca dos 100 milhões de videos por dia! Televisão, cinema, videoclips e mesmo a indústria da música pode beneficiar desta abordagem. Só têm de dar a palavra aos consumidores, que agora estão disponíveis em larga quantidade, a custo reduzido e de livre vontade!

Tags: Market Research technorati_logo sapotags_logo marcantes_logo destakes_logo favoritos_logo delicious_logo wordpress_logo

nhlconnectA National Hockey League (NHL) norte-americana prepara-se para se lançar no mundo das social networks no início da temporada vindoura (’06-’07) com o serviço NHL Connect. A ideia não difere do normal para este tipo de serviços permitindo aos seus utilizadores criar proflies, adicionar amigos/colegas, fazer o upload de fotos, incluir videos do Youtube, realizar comentários, juntar-se e criar grupos, fazer subscrições de RSS… nada de novo para o mercado. Em termos específicos o usuários poderão aceder às últimas notícias da NHL bem como ao calendário completo de cada equipa; em termos de social networking em si destaca-se a possibilidade de efectuar pesquisas tendo por base a equipa de filiação.

Aquilo que destaco é claro o conceito, que sempre me pareceu óbvio, de relacionar os serviços de social network com o desporto, mais concretamente com a filiação desportiva dos indivíduos. Em primeiro lugar este tipo de serviços apresenta desde logo a vantagem de não necessitar de um ‘extra’ para impelir a agregação das pessoas, ela é espontânea com base nos fenómenos de identificação grupal relacionados com a sensação de ‘pertença’ a uma equipa/clube. Depois, em vez de propôr uma ligação puramente ‘fictícia’ coloca o seu serviço ao dispor de uma ligação concreta e desde logo existente entre os participantes.

Parece-me natural que, mais cedo ou mais tarde, este conceito se expanda para outros deportos e paragens. O futebol surge como natural candidato, embora uma pequena leitura pelos diversos fóruns, sites e blogs dedicados ao desporto permita constatar que a convivência entre adeptos de diferentes clubes é tudo menos pacífica. Talvez a solução possa passar por redes de social networking clubísticas

Tags: Social Networking technorati_logo sapotags_logo marcantes_logo destakes_logo favoritos_logo delicious_logo wordpress_logo